quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Afinal, o que se passa na cabeça de um idiota?


1.Que ou quem é pouco inteligente; ignorante, imbecil. 2. tolo”. Esta é a definição, segundo o dicionário Aurélio, da palavra idiota. Mesmo entendendo que a idiotice (ou ignorância) de uma determinada pessoa cause mais malefícios a ela mesma que a qualquer outra pessoa, todos sabemos que as tolices de um sujeito invariavelmente acabam atingindo outras pessoas que nada tem a ver com sua condição infeliz. Também é compreensível que alguém, digamos, pouco capaz quando se dá conta de sua desvantagem intelectual perante os outros sinta raiva, inveja, ira. E que esse conjunto de sentimentos provoque no idiota o desejo quase incontrolável de destruir tudo que ele não é capaz de construir, executar ou administrar.

Trazendo a questão para nosso 'mundinho' underground e levando em conta o que foi colocado acima, surgem algumas questões. Mas antes de passarmos à elas, cabem aqui meia dúzia de considerações. Por exemplo: Imaginem um cara, ou uma garota, que estude ou trabalhe (ou os dois) durante toda a semana. E partindo do princípio que a pessoa em questão seja alvo diariamente, como a maioria de nós, do conteúdo cultural oferecido pelos veículos de massa. Se estivermos falando de alguém com certa afeição por música e cultura alternativas, é compreensível que a mesma procure, nos finais de semana, lugares e programas onde ela possa saciar sua sede pelo conteúdo cultural que a mídia e os programas tradicionais não lhes oferecem. Há também o caso daqueles que, além de seus afazeres cotidianos, se dedicam a ensaios com suas bandas ou a algum trabalho que resulte num show, exposição, sarau, enfim. Logo, há quem se dedique, muitas vezes sem esperar retorno financeiro, a produzir o conteúdo que será oferecido ao público num determinado espaço ou evento nos finais de semana. Ou seja: Para que um determinado evento ou projeto oriundo do meio underground seja realizado, ou oferecido ao público, várias pessoas se envolvem e dedicam tempo ao mesmo.

Agora, de volta a coisa do idiota. Vamos às questões as quais me referia no início do parágrafo anterior. Afinal, o que passa na cabeça de um infeliz que, em meio a um show, exposição ou qualquer outro tipo de evento underground, ache por bem atirar um cigarro aceso na espuma colocada dentro de um bumbo de bateria? O que leva uma criatura civilizada (…) a esperar o final de um evento para, num descuido (...) de seus organizadores, se enfiar atrás de uma bateria e, fazendo uso de um objeto qualquer com poder de corte, rasgar de ponta a ponta a pele de uma peça da mesma bateria? Que tipo de lixo mental carrega na cabeça alguém capaz de, nas mesmas circunstâncias colocadas acima, tentar arrebentar um cabo de microfone??? Ou mesmo destruir um pedal de bateria??? E isso sem contar outras 'ideias' pouco inteligentes, por assim dizer, concebidas por outros presentes no mesmo evento... Não resta outra opção a não ser creditar tais procedimentos a idiotas. Aqueles que, como dito lá no início, não suportam a ideia de ver outras pessoas (notadamente mais capazes que eles) produzindo, realizando, pondo ideias em prática ou sendo bem sucedidas em determinado projeto.

Pois bem, como alguns de vocês que acompanham esta versão on line de nosso FMZ ficaram sabendo, no último dia 21 de julho, promovemos no Metallica Pub o evento que comemorou os quinze anos da banda Inércia (da qual este que vos escreve faz parte). Tivemos um belo público! Maior que boa parte dos eventos que nós da Latitude Zero Prod. vínhamos produzindo na casa nos últimos tempos e maior que o público de outros eventos produzidos na casa recentemente também. Tanto nós da banda Inércia quanto a direção da casa recebemos elogios pelo trabalho, que teve como fruto a noite em questão. Nos preocupamos em oferecer mais que os shows das bandas convidadas ao público. Planejamos uma exibição de documentários e vídeos de Sk8, discotecagem, mostra de fanzines e uma mini feira de vinis que, infelizmente, não aconteceu pelo fato de o responsável pela Bagaceira Discos (loja virtual convidada para realizar nossa feirinha de discos) ter se tornado papai justamente no dia do evento. Foi uma noite muito bacana que contou não só com público e amigos acostumados ao meio underground, mas com pessoas e amigos que pela primeira vez visitavam um 'show de Rock'... Sendo assim, dá pra acreditar que as atrocidades descritas no parágrafo anterior aconteceram justamente numa noite como a do dia 21 de julho?

Os danos causados ao equipamento da casa me foram descritos (e mostrados) pela direção do Metallica Pub logo que voltei à casa, cerca de duas semanas após o citado evento. Apesar de termos uma ideia acerca de quem seria capaz (e teve oportunidade) de promover tais atos 'pouco inteligentes', preferimos não acusar ou conferir culpa a ninguém. Até porque não teríamos como provar nada (ou quase nada). Agora, o que não consigo responder é: Que motivos teria alguém que frequenta eventos no underground para danificar equipamentos e provocar prejuízos nestas circunstâncias??? Qual motivo teria uma pessoa para tentar estragar uma noite num espaço que, muitas vezes, é frequentado por ela mesma (como público ou como músico, se apresentando com sua banda)????

Veja bem. Atualmente, o Metallica Pub é o único reduto genuinamente roqueiro (e underground também) funcionando no município de São Gonçalo. Espaços e festivais (alguns sem o menor 'senso de realidade') surgiram e desapareceram ao longo dos anos. Hoje, a casa no bairro do Porto Novo é a única a se manter fiel ao público roqueiro, com shows gratuitos e um mínimo de estrutura de som disponibilizada a bandas e produtores. Então porque alguém se dedicaria a produzir prejuízos num espaço nessas condições??? Só me resta atribuir tais atos a “1.Que ou quem é pouco inteligente; ignorante, imbecil. 2. tolo”.

Tipo: “Cara, o evento tá bacana. A casa tá cheia, a galera se divertindo, bandas tocando... Vou estragar a noite dos caras!” Sinceramente? Não faz o menor sentido! Se uma pessoa não concorda, não aceita ou se incomoda com o que está acontecendo em um determinado local, porque ir até este local??? Por sorte, nenhuma das idiotices cometidas foi suficiente para estragar a noite pela qual trabalhamos tanto. E tanto nossos eventos, quanto os promovidos por outros produtores ou pela própria casa continuarão acontecendo e, apesar de um certo tipo de pessoas, o único espaço 'Rock' de São Gonçalo (torcemos para que surjam outros, é importante) em atividades continuará a abrir suas portas para o meio underground. E não será por causa desse tipo de gente - que muitas vezes se auto intitula isso ou aquilo, ou portador de determinada bandeira (mesmo compreendendo muito pouco a respeito da mesma) ou representante do movimento tal - que as coisas vão ficar ainda mais capengas e deterioradas do que já estão. Aliás, normalmente são justamente essas figuras que abrem a boca para reclamar, questionar posturas, atitude, cobrar por espaços, festivais, cena ou coisa que o valha. Estranho, não? E a pergunta continua sem resposta: Afinal, o que se passa na cabeça de um idiota?

Rafael A.


Nenhum comentário:

Leia também: