segunda-feira, 15 de julho de 2013

Dia Mundial do Rock em Niterói



Festa Pelo Dia Mundial do Rock
13/07/2013
Espaço Convés (Niterói/RJ)
NARDONES – THE FRAKTAL – OS CLODOALDOS – MIRAH – MAD-C

Dia Mundial do Rock? Pois bem, independente do que você, eu ou quem quer que seja pense a respeito da data o importante é que hajam espaços para bandas novas mostrarem seu som, correto? Sendo assim, o FMZ voltou ao clássico Convés após uns bons anos para conferir a festa promovida pelo Coletivo Araribóia Rock nesta noite de sábado!

O barulho contou com o apoio do FMZ e reuniu um público considerável na casa do bairro Gragoatá! E quem deu o ponta pé inicial nos trabalhos foram as meninas da Mirah. Mostraram um Pop Rock competente com direito a covers e canções próprias. Banda, notadamente, dando os primeiros passos. Sorte pra elas! Já com com a galera em maior número na casa, foi a vez da Mad-C se apresentar. Desfalcadas de seu guitarra, a dupla feminina subiu ao palco do Convés acompanhada de baixo e batera. Bela apresentação! As duas vocais são afinadíssimas! E a banda, competente! . Mais uma vez, o Pop Rock deu o tom. Com nítidas influências do Rock norte americano, a Mad-C apresnetou um set baseado em covers que segurou a galera na frente do palco. Em seguida foi a vez da Os Clodoaldos mostrarem as músicas que farão parte de seu próximo CD. Mais uma vez, a galera chegou pra frente pra conferir canções autorais e covers. A Nardones (foto) veio logo depois (com maquiagem e tudo!) e fez o show mais bacana da noite! Seu Horror Punk com cacoete de Misfits (& afins) proporcionou as primeiras (e únicas) rodas de pogo da noite! Bem bacana! Já com o público reduzido no local, a The Fraktal encerrou a noite!

Ao que parece, encerrada a última apresentação, a galera da Maldita 3.0 (reencarnação virtual da saudosa Flu FM) comandou a discotecagem pra quem ainda teve disposição. Este que vos escreve, foi de encontro a sua cama, já que depois de uma certa idade o corpo não aguenta mais tanto como em outras épocas, correto? E foi isso. Feliz Dia do Rock pra quem acha por bem comemorar a data e nos vemos sábado no Metallica Pub, na edição de julho de nosso Rock na Garagem!

Rafael A.

Mais fotos da Festa Pelo Dia Mundial do Rock em nosso perfil no Facebook.
fotos: Rafael A. / Latitude Zero Prod.

Confira um trecho da apresentação da banda Nardones:

8 comentários:

Anônimo disse...

Maneira a reportagem, mas pra ficar melhor, há que se corrigir as informações: A banda a começar o evento foi a Mírah, banda feminina completa, depois é que entra a dupla, a Mad'C, e não o contrário! Mas valeu a matéria!!!

Anônimo disse...

Ah! E a Mírah não é pop rock. Elas tocaram Led zeppelin, SOAD e Metallica, que são as maiores influências sobre as autorais...

Mayara disse...

Acho que vocês confundiram a banda Mírah com a Mad'C...
A banda Mírah foi quem começou o evento, fez as honras da casa, e além disso estava completa, não faltava ninguém! A seguir entraram as meninas da Mad'C. Só acho que vocês deviam prestar mais atenção nessas coisas, nesses pequenos detalhes antes de postarem as matérias de vocês, pra não dar esse tipo de problema.

Latitude Zero Prod. disse...

Obrigado pela correção quanto à ordem das bandas. Como puderam perceber, o erro foi corrigido. Só o que não podemos fazer é alterar as impressões quanto ao que assistimos, ok? Uma resenha é algo pessoal, reflete as impressões de quem a redige (e que bom que podemos ter opiniões diferentes e expressá-las, não?). De qualquer forma, agrdecemos pela correção e pela participação de todos.

si disse...

Desculpe mas não vi correção sendo feita, pois continua A Mírah como banda Pop rock. E colocar o q vc pensa é fácil, mas teria q colocar o q as pessoas q estavam presentes acharam, já q eram poucas pessoas e a fila da entrada estava grande do lado de fora e muitos não puderão assistira a boa (muito boa mesmo) apresentação da Banda Mírah. Uma banda q, segundo vc está começando, deu um verdadeiro show em todos sentidos.

Latitude Zero Prod. disse...

Bom, vamos lá... Apesar de não termos o costume de responder os comentários, fazemos questão de deixar o espaço aberto para que, quem quiser expor seu ponto de vista, o faça. Por se tratar de uma resenha de show em Niterói (onde, há anos, não temos um cenário forte e consistente como em décadas passadas), achamos por bem dar esse retorno.

Sim, a informação errada foi corrigida. A ordem de apresentação das bandas no evento foi trocada. Repito: o que não podemos fazer é mudar as impressões que temos do que assistimos.

De fato (e insistindo), o que está no artigo reflete a opinião de quem o redigiu. E não compete a mim classificar como 'fácil', 'difícil' ou atribuir qualquer outro adjetivo. Inclusive, uma das coisas mais legais de se ter um fanzine é justamente a possibilidade de se publicar o que pensa, sua visão das coisas. Outro fanzine, site, jornal ou veículo de imprensa alternativo ou não, pode assistir uma mesma apresentação e sair do show com uma opinião completamente diferente. o público também.

Quando se sobe em um palco com uma banda coloca-se o trabalho para apreciação pública. O retorno pode não ser exatamente o que se espera. Mostra-se uma determinada obra para pessoas com visões de mundo, bagagem cultural e experiências de vida das mais diversas. E, até certo ponto, soa inocente acreditar que todos que assistem um show terão as mesmas impressões de quem está em cima do palco e até mesmo seus amigos, parentes e pessoas que torçem pelo artista em questão.

Especificamente tratando da apresentação em questão (a da primeira banda que tocou no dia 13/07): O que vi foi exatamente o que escrevi. Uma banda notadamente iniciante e, como coloquei, competente. E que, sim, no meu entender soou Pop. Independente dos covers que a banda tenha apresentado. Fica claro o cacoete Pop, o trabalho soa acessível, palatável, de facil assimilação (muitas vezes esse tipo de trabalho serve de porta de entrada no meio underground para muitos garotos e garotas, em cima e na frente do palco, inclusive). E não há nada de ruin nisso! Não vi absolutamente nenhum aspecto que me remetesse à, por exemplo, música experimental, som extremo nem nenhuma outra vertente de música alternativa, comum ao meio underground. Repito: Não há nada de negativo nisso.

Dá pra subir num palco e tocar Classic Rock, Thrash Metal, New Metal, HC, Punk e até Black Metal e soar Pop. Isso vai além de acordes, visual ou qualquer fator aparente. Tem a ver com feeling, postura, pegada, discurso e por aí vai. Um mesmo artista (ou banda) pode ter fases distintas em sua carreira. Logo, um músico que se propoõe a reproduzir uma canção desse mesmo artista pode, perfeitamente, assimilar detemrinados aspectos da obra e outros não. Mais uma vez: Não há nada de negativo nisso.

Um exemplo? O próprio Metallica, que foi citado num dos comentários, tem o início de sua trajetória como um dos principais nomes do Thrash 80`s e, no começo dos 90`s, lança o "Black Album", excelente álbum... Pop (dá pra imaginar algo mais Pop pra uma banda de Trash que "Nothing Else Matters" ou o riff de "Enter Sandman"???)! E, não, não vejo nada de errado nisso. Aliás, sou fã de toda a obra do Metallica (ok, me decepcionaram no show de 99 na Gávea, mas já os perdoei..rsrsrs).

Pois bem. Espero ter esclarecido os pontos colocados nos comentários. Como disse, não costumamos responder aos comentários das postagens (apesar de, insistindo: deixarmos o espaço aberto para o público). Nesse caso, houve erro com relação à ordem das apresentações (na verdade, o que houve foi a troca dos nomes das duas primeiras atrações). O mesmo foi corrigido. Devido ao erro cometido (e por se tratar de nossa querida Niterói, conforme coloquei no começo) achamos por bem dar retorno aos comentários.

Abraços e boa semana a todos!

Anônimo disse...

Rafael

Te conheci numa cobertura de evento de bandas novas. Eu tb estava fazendo isso só que para o meu site. Eu achei ótimo seu post. Vc é um cara de opinião forte, embora isso torne-se polêmico às vezes, mas o que as pessoas precisam ter em mente é que vc está abrindo espaço para o independente se divulgar independentemente de haver divergências de opinião. Continue fazendo esse belo trabalho. Força! Gostei muito da banda Mirah e o ponto alto da noite pra mim tb foi Nardones (demais!!!).

Bjs: Anna

Unknown disse...

Rafael,
Nós da banda Mírah agradecemos a sua opinião, embora não concordemos muito com ela. Mas prestaremos atenção ao que vc disse, já que pop rock nunca foi a nossa intenção, não é o que ouvimos, o que queremos trazer pra banda. Se assim soou, algo de errado tem sido feito, mesmo da forma competente, como vc diz. Sem menosprezar o estilo pop rock, entenda-se. Há bandas muito boas nesta linha, mas é só que não é isso que queremos fazer. Mais uma vez, não concordamos, mas ficaremos atentas. Ficamos felizes também em ver que há os que gostaram e os que gostaram MUITO, a ponto de nos defender! Esperamos vc em algum show nosso, e que possamos mudar a sua impressão para algo cada vez mais a nossa cara e gostos e cada vez melhor, claro!

Leia também: